7 de maio de 2014

Chrno Crusade




Olá pra todos que acompanham o site: sou a Escritora e tenho dado uma forcinha fazendo resenhas e espero que estejam curtindo.

A resenha abaixo me traz boas lembranças. Foi um dos primeiros animes que gravei – ao lado de “DNAngel” e “Matantei Loki Ragnarok” – quando os melhores vídeos eram em RMVB, e anos depois o mangá deu as caras e pude colecionar por completo. Fiquei muito feliz quando soube do lançamento do mangá e apesar de uns adiamentos e atrasos, principalmente da última edição, ao menos é mais uma série em minha coleção escassa de mangás. Por isso, espero expressar um pouco desta sensação ao escrever sobre esta série.



**********



Ano: 2004
Diretor: Yuu Kou ("Giant Killing")
Estúdio: Gonzo
Episódios: 24
Gênero: Aventura / Comédia / Terror
De onde saiu: Mangá, 8 volumes, finalizado.


Por Escritora Otaku



Como vai o seu tempo? Tem aproveitado as oportunidades que a vida lhe traz? Estas são algumas perguntas que temos que aturar durante a vida e, muitas vezes, desperdiçamos o tempo em coisas bobas e sem sentido. Poucos sabem administra-lo no cotidiano corrido e estressante que passam dia após dia.

E, se você não tivesse muito tempo?

A premissa da série trata exatamente desta questão e aborda como fazer seu tempo valer a pena, seja nos bons ou maus momentos. Para isso, os personagens vão ter de saber quais objetivos terão prioridade, e se o caminho a ser escolhido os levará mais perto ou não desta decisão. “Chrno Crusade” iniciou em mangá, publicado pela Kadokawa Shoten – revista que trouxe “Karin”, “Deadman Wonderland” e “Sora no Otoshimono”, entre outros títulos – lançado entre 1999 e 2004, totalizando 8 volumes. O mangá foi publicado no Brasil pela Panini de 2008 a 2010, com periodicidade bimestral. O mangaká por trás da trama é Daisuke Moriyama, que nos posfácios é representado por um cachorrinho, que revela ser um pouco desajeitado e desorganizado com as coisas e com ele mesmo – e ainda recebe reclamações dos próprios personagens da trama, aumentando a comicidade e nos dando uma ideia de como a série se desenvolveu ao longo dos anos.

A série se passa nos Estados Unidos na década de 20, quando o progresso chega a patamares jamais vistos pelo país, um pouco antes da depressão de 1929. Neste cenário de crescimento urbano, muitos partem para obter uma nova vida no país e isto inclui a chegada de criaturas que gostam de causar confusão, conhecidas como demônios. Estes seres ocasionam medo e problemas que nem mesmo a polícia pode enfrentar, e para encará-los é criada a “Ordem de Magdala”, que fica responsável de proteger as pessoas destes seres obscuros. O grupo pertence à Igreja Católica e os que cuidam de tais criaturas são padres e freiras que usam um arsenal de armas e outros apetrechos.

Nesta ordem, uma das freiras é Rosette Christopher, uma garota animada e de pavio curto, que trata destes problemas, mas, a própria ocasiona mais destruição que seus inimigos. E isso irrita a atual responsável pela ordem em Nova Iorque, que quer a situação resolvida sem danos maiores. O parceiro desta jovem é Chrno, um “garoto” que tenta, em vão, evitar a destruição que sua companheira faz sem querer. Apesar da aparência infante que possui, ele na verdade é um demônio, que decidiu seguir uma vida mais tranquila e possui um passado interligado a Rosette. Os dois se conheceram quatro anos atrás, quando a garota vivia em um orfanato e uma ironia do destino os levou a conviver juntos. Na época, a garota tinha um irmão e devido a uma desventura, acabaram topando com Chrno, que perdera a vontade de viver. O contato com eles deu uma nova vida para Chrno, que acabou tendo de pagar um alto preço pela decisão: outro demônio pegou o irmão dela e para que pudesse ajudar Rosette, ele faz um pacto para usar seus poderes.

Este pacto faz com que ela dê sua energia vital para que Chrno possa usar seus poderes e a marca deste pacto está no relógio que ela porta no pescoço. Quando é preciso usar sua real forma, Rosette usa o relógio e quanto mais utilizar os poderes, o tempo de vida dela diminui. E eles farão de tudo para salvar o irmão dela, portanto, o tempo é curto, pois não se sabe quanto Rosette irá viver e vão aproveitar para conseguir cumprir este objetivo. Nesta jornada conhecerão outros personagens que também passam uma situação semelhante e querem realizar seus objetivos antes que o tempo termine ou algo pior.


“Chrno Crusade” destaca o fator do tempo e as escolhas que os personagens têm de tomar para cumprir seus objetivos de vida, fazendo com que reflitamos a questão de saber usar o tempo de maneira sensata. Junto a isso, a série traz um panorama de um dos momentos mais importantes dos Estados Unidos e as sequelas de tanto progresso: afinal, a Era de Ouro deles foi nesta época e ninguém esperava que terminasse de forma devastadora e cruel. A trama possui uma alcunha religiosa – presente tanto no mangá quanto no anime – revelando uma identidade e preocupação de manter as coisas em ordem. Só não chega a ridicularizar, apenas mostra os ideais que a “Ordem de Magdala” quer para o bem-estar das pessoas. Os que fazem parte desta organização abdicaram viver uma vida mundana e seguem as regras imposta para proteger aqueles que querem ter uma vida sem transtornos. Por isso suas roupas identificam suas posições e a qual tarefa são designados.

Os personagens são um dos destaques da série, pois mesmo sendo um tanto clichês, demonstram carisma e personalidade. Dos principais aos secundários acabamos nos identificando com a forma de pensar e as ações que realizam ao longo da trama em si. O traço não é inovador e nem detalhista, diga-se que é convencional; a constituição de época possui alguns equívocos, que não chegam a irritar e consegue ter um equilíbrio entre momentos dramáticos e cômicos, na maior parte do tempo.

E afinal, qual é o melhor: o mangá ou o anime?

Nos termos de adaptação, ambas seguem juntas e tirando uma cena aqui e acolá, são similares; a dramaticidade, no entanto, é diferenciada; a partir do quarto volume do mangá e episódio 18 da série, ocorre a separação e seguem seus próprios rumos. No mangá, a história prossegue revelando algumas questões a respeito de Chrno e o embate final entre os demônios e a “Ordem de Magdala”. Já o anime segue um rumo mais dramático e seu final pasmem mais bonito que no mangá, quem assistiu sabe bem o que houve.

Considerado um dos melhores trabalhos do estúdio Gonzo, na parte técnica a série consegue manter o traço e dá um charme a mais na ambientação e nos personagens. A dublagem também se destaca, onde os dubladores encarnam seus personagens e torna a animação mais simpática de assistir. Já na trilha sonora, temos como tema de abertura “Tsubasa wa Pleasure Line”, cantada pela Minami Kuribayashi, possuindo melodia animada e de certa forma, reflexiva; e o tema de encerramento “Sayonara Solitia”, cantada pela cantora e dubladora Saeko Chiba, de estilo filosófico e um tanto melancólico, revelando as decisões tomadas pelos personagens da trama. Detalhe curioso no encerramento desta série é a respeito da versão completa: se prestarem atenção na música, vão ouvir batidas de coração até perto do fim, onde para de bater. Tal como o nosso coração...


Ciente de que muitos já tenham visto a série e a achem datada, vale lembrar que o tempo não tirou o brilho e nem suas características mais influentes. Apesar de mangá e anime seguirem rumos completamente adversos, ambas trazem uma história em que saber usar o tempo é uma prioridade para que tenhamos uma vida mais significativa e possamos valorizar cada experiência para sermos alguém neste mundo.


*****



Comente com o Facebook:

Um comentário:

  1. Assisti essa série inteira 2 vezes. E é impressionante como ela não deixou qualquer impressão boa ou ruim em mim. Mesmo as lembranças dela são poucas e vagas. Mesmo assim fico feliz por lembrar de um anime que assisti há anos.

    Traga mais reviews e sugestões pra nós sempre que possível. Abraço!

    ResponderExcluir

Copyright © 2016 Animecote , Todos os direitos reservados.
Design por INS