11 de dezembro de 2014

Girls und Panzer

Ano: 2012 
Diretor: Tsutomu Mizushima ("Another", "Blood-C", "Genshiken", "Kobato.", "xxxHOLiC")
Estúdio: Actas
Episódios: 12
Gênero: Ação / Comédia / Slice-of-Life
De onde saiu: Animação original



Por xbobx


"-Hey!! You in light tank! Get out of the way!
-We don't wanna, desu.
Also, the Type 89 is not a light tank. It's a medium tank."


Usualmente, essa review começaria com uma breve introdução sobre a história, personagens e em seguida eu desconstruiria os elementos principais (artwork, OST, etc) e, por fim, daria um parecer final ao tom de “é um bom anime para se assistir ou não”.
Entretanto, Girls und Panzer (GuP daqui em frente) não é, digamos, um anime convencional, portanto uma review não convencional é justo o que devemos ter.

A seguir, o amigo leitor encontra um algorítimo que desenvolvi em uma madrugada a partir da pergunta inicial "devo assistir?" e seus respectivos prós/contras.
Mas por favor, leia a review também, o algorítimo tem valor, mas não tanto quanto os blocos de texto a seguir!



Miho Nishizumi acaba de ser transferida para a escola de Oarai. Não tem amigos, não conhece o lugar, não está em nenhum clube, mas logo de cara é abordada e intimada a participar de uma atividade a qual ela odeia: Panzerfahren. Também conhecido por Tankwondo, ou no romaji: Sensha-do. Uma prática milenar que exalta as características femininas, a graça e a sutileza. Junto com ela, estão outras garotas com motivações bem diferentes para estarem ali...


E assim, o espectador é apresentado à personagem principal e seu dia-a-dia "pouco" convencional.
Diga se de passagem, o fato de existir uma disciplina optativa sobre condução de tanks é o menos surpreendente no universo de GuP. E o mais surpreendente ainda, é que essas outras “peculiaridades” - as quais não convêm mencionar aqui, outrora daria spoilers - são apresentadas ao longo da série de uma forma estupidamente casual e mais natural possível, como se não houvesse nada de extraordinário nelas.
Isso, muito provavelmente, incita em você aquela bela reação universal "WTF?" e "MIND = BLOW" seguida por risos histéricos ou abafados. Das excentricidades de GuP essa provavelmente é a mais adorável, e merece ser a primeira exposta nessa review.
Caso o leitor decida dar uma chance a série, assista o primeiro episódio com a seguinte questão em mente: Onde exatamente é a escola das personagens?
Só esse detalhe já é suficiente para uma boa parcela de "WHAAAAAT?".

GuP é a máxima do MOE pós-2010.
E o que realmente essa frase quer dizer?
Significa que, entre todos os animes com o mesmo setup/pattern, GuP é superior a eles, se destaca entre eles.
Um anime "moe", como muitos devem já saber, se trata da (relativamente) nova corrente de animação onde todos as personagens femininas têm suas feições arredondadas e recebem aquele ar "fofinho", "kawaii", "uguuu".
Além disso, um maior desenvolvimento da história é sacrificado para manter o foco na "kawaizisse" das personagens. 
Geralmente séries desse tipo são slice-of-life, mas também podem extrapolar para outros gêneros.
Em resumo, o famoso: "Cute girls doing cute things in a cute way", exemplos notórios seriam: "YuruYuri", "LuckyStar", "K-ON!".
Pois então, GuP também é um anime de "cute girls doing cute things in a cute way", entretanto, essas "cute things" são simulações de batalhas de artilharia e o "in a cute way" é atirando HE shells de 32mm em tanks de outras "cute girls".

Adorável, não?

Sendo bem honesto, não havia forma de essa premissa fracassar.
Basicamente os roteiristas poderiam tomar dois rumos de ação, (1) fazer o que foi feito e misturar algo absurdamente destrutivo com a tranquilidade de um slice-of-life ou (2) transformar o aparentemente tranquilo scenario em um massacre com lolis explodindo para todos os lados.


Nota como não havia como dar errado? Mesmo que fosse escolhido a opção (2), talvez uma parcela da crítica cairia em peso, chamando a série de blasfêmia, heresia ou o que for, mas, com certeza, muitos dariam crédito ao anime por sua “originalidade” e “brutalidade”. (sim, "Elfen Lied")
Agora, como eles infelizmente(?) escolheram a primeira opção, como fazer cute girls dentro de tanks atirarem em outros tanks por “esporte” e mesmo assim ninguém sair morto da brincadeira?
Qualquer explicação que eles inventassem soaria absurda e qualquer pessoa com o mínimo de senso comum já abandonaria a série. Pois bem, nunca estive tão errado.
O leitor é familiar com o airsoft/paintball? É basicamente isso. Tomei a liberdade de traduzir a explicação fornecida pelo próprio anime:
-"Os projéteis não estão carregados com material explosivo/cortante portanto não explodem nem penetram no impacto, somente se fixam no alvo. Isso é confirmado por sensores no tank adversário que calculam a potência do impacto e determinam se foi um tiro fatal ou se o tank ainda está sob condições de combater. Além disso, o compartimento da tripulação é reforçado com material protetor para o caso de explosões e/ou tiros muito próximos"
É... aceitável. Claro que se quiséssemos ser realistas, o que aconteceria em caso de explosão de combustível? E no caso de usarem HE shells que são explosivas, como feito nos últimos episódios? E a eventual explosão do barrel/armamento? Ou mesmo a pólvora usada para atirar o projétil?
São todas perguntas pertinentes, mas sejamos realistas, quem liga? É um anime sobre cute girls dentro de tanks atirando coisas por aí! Onde você já viu isso?

(Não, não é KanKolle. Touhou Project - não, não é um anime... infelizmente)

Por mais que assistir garotinhas em tanks seja interessante, não elogiaria o anime se ele não possuísse qualquer outro objetivo além de fanservice (não no sentido ecchi da palavra).
O roteiro é surpreendentemente bem escrito, e por baixo da atmosfera do que seria um anime de esportes, vemos um desenvolvimento agradável. Temas comuns de SoL e da mídia japonesa como o valor da amizade, família, trabalho duro estão presentes, além de uma mensagem de superação e obstinação, abordada por situações de conflito entre as personagens.
Claro, não chega aos pés dos bons drama/romances que a indústria já produziu, mas admito que foi bem escrito ao ponto que você ignora quão estúpido o setup é (TANKS) e fica em transe com a história.
Uma parcela de drama, cenas de ação, um teor de aventura e uma comédia refinada. Tudo que uma boa história de "sessão da tarde" deveria ter.
GuP não possui aquele roteiro que renderia adaptações e inspiraria varias outras obras, mas tem seu valor como uma boa história.

Da mesma forma, as personagens são adoráveis.
Diga-se de passagem, 99.999% femininas, caso o leitor não goste de séries somente com garotas no elenco, talvez tenha problemas para se adaptar.
De MC a antagonistas, não há nenhum que incita ódio ou raiva no espectador (sim, estou falando de você, Makoto Ishiki).
Talvez, novamente, isso seja não mais que influência do padrão MOE, mas sendo na medida da forma que foi apresentado em GuP não vejo problema.
Os estereótipos, claro, estão presentes. Das garotas principais, temos a esperta/calma com aquela aura de housewife, Hana; a outgoing, hiperativa e "popular" Saori; a "oddball", esquisita, com poucos amigos, Yukari; A LOLI TSUNDERE Mako, porque, convenhamos, não poderia faltar. E a clássica MC com a premissa "garota normal com vida normal".
Se há algo para se criticar em GuP é esse padrão. Fãs hardcore do gênero e do segmento talvez não se incomodem tanto com esse ctrl+c - ctrl+v de personalidades, mas chega a hora para cada um em que se quer algo diferente... Infelizmente GuP não foi o anime que quebrou esse padrão.
Character Development, há sim. Mas o previsível. Aproveito a deixa para recomendar "So Ra Wo To" para aqueles que quiserem um anime que também possui garotinhas & military mas com personagens diferenciadas e um desenvolvimento bem trabalhado.


Mas e o que interessa? E os tanks??
Não decepcionaram.
[Aqueles que não possuem interesse qualquer em peças de artilharia podem pular esse parágrafo]
Inicialmente, eu -assim como muitos mundo afora- acreditávamos que o anime não seguiria modelos históricos ou faria referências ao real objeto e o que veríamos em tela seriam simplesmente desenhos que se parecem com tanks e atiram projéteis.

Ah, mas que engano mais delicioso.
Os produtores, roteiristas e desenhistas de Girls und Panzer fizeram seu dever de casa. Durante o anime, são exibidos representantes muito bem desenhados de peças alemãs, britânicas, francesas, americanas e até mesmo japonesas.
O traçado é tão fiel que deixa jogos como "World Of Tanks" parecendo carrinho da hotwheels.
(Mas não War Thunder, porque, convenhamos, War Thunder é foda)
E não para por aí, além de apresentar os tanks, o anime ainda consegue de uma forma ou de outra apresentar sua descrição, fatos históricos relacionados a ele, seu tipo de armamento, vantagens, desvantagens e etc.
Há episódios em que as personagens engajam em diálogos sobre estratégias para neutralizar o oponente levando em conta táticas usadas em cercos da WWI e WWII.
Elas até explicam em um dos primeiros episódios como calibrar a mira de um StuG III!
De um Panzer Kampfwagen IV e um clássico tijolo russo, KV-1, até lendas como o Jadgetiger e o Elephant... Qualquer entusiasta dessas maravilhas da engenharia ficaria boquiaberto com a qualidade de detalhe exposta no anime. 


Diante disso, convêm mencionar tanto a "artwork" quanto a física presente no anime juntos em um parágrafo.
Em momento algum temos uma cena que o espectador possa parar e dizer "Isso é absurdo", e este talvez seja um dos pontos mais fortes desse anime. Durante todos os 12 episódios, é respeitada a limitação de cada tank e o que cada um pode ou não pode fazer.
Sim, há creio que 1 ou 2 momentos em que se feitos os cálculos baseado nas informações em tela podemos sim dizer que tal ação era impossível pois as esteiras estourariam e/ou a inércia faria com que o tanque tombasse. Mas note bem quando disse: 1 ou 2 momentos.
Para um anime com batalhas de tanks como tema principal isso é margem de erro.
Igualmente, a artwork é simplesmente um luxo.
Sendo (meio) imparcial, não consegui segurar minha surpresa ao perceber que eles até mesmo prestaram atenção ao fato que o StuG III A, o Jadgetiger e o Hetzer precisam mover as esteiras para mirar, já que não possuem um turret rotativo.
E não para por aí, ainda é apresentado ao longo do anime diferentes shells, AP (armour piercing), HE, revestidas. Assim como qual tipo de tank é capaz de atirar cada uma delas, e nota-se também, que até a diferença de velocidade entre os light tanks e os medium/heavy foi cuidadosamente considerada.
Quer mais? Ao final do Ep. 11 há uma "surpresinha" das garotas da BlackForest.

Quanto a OST e música, nada excepcional que valha a pena mencionar.
Depois do êxtase de tanks, admito que nem sequer consegui dar atenção para a OST.
De qualquer forma, vale ressaltar que a OP/ED é uma típica J-POP, com trechos em inglês que deixa você se perguntando se elas realmente entendem o que estão cantando... "I CAN FEEL MY WIND, I CAN FEEL MY SHINE" masoq?
Mas algumas insert songs compensam por esse fiasco, como as meninas da escola RUSSA da Pravda cantando algo em RUSSO que apesar de não entender parece melhor que a OP.
(Na verdade se trata de Katyusha, uma música popular da época da 2ª guerra. Conta a história de uma jovem que espera pelo retorno de seu amado que foi lutar no front)

Por fim, "Girls und Panzer" é absurdo, é ridículo, é extravagante. Dito isso, ainda estou defendendo que vale a pena assistir?
Sim! Pois é absurdo, ridículo e extravagante em um bom sentido! Simplesmente faça uma analogia com a música. Quantas bandas e compositores recebiam esse rótulo e veja quantas músicas magníficas eles produziram.
Se fosse resumir essa review em uma frase, diria que GuP é absurdamente excitante e ridiculamente divertido.
Seja honesto consigo mesmo, você não acha a premissa do anime magnífica?
Você tem uma desculpa para, literalmente, atirar projéteis de 100kg de massa à 250km/h um nos outros e ninguém sai ferido!
...a não ser que seja decorrente de recoil, dispersão de ar, falha na munição, falha mecânica, compressão do metal, mas... quem liga!?


Com toda seriedade agora, GuP vale a pena sim.
Mesmo que seja para conhecer um anime único no seu gênero. Poucos moe-SoL se aventuram em histórias mais complexas que o dia-a-dia de garotinhas estudantes, e muitas vezes quando de fato vão além, o tiro sai pela culatra (ex: "Strike Witches", "Rail Wars" RAIL FUCKING WARS) ou se tornam dramas com temáticas bem pesadas (ex: "Gunslinger Girl").
E, meu caro, se você é um "tankfag", o que está esperando?


Appendix:
Caso minhas palavras ainda soem como uma mentira deslavada, e você não acredite que possa haver fidelidade histórica e/ou uma física realista no anime, escreva um comentário!
Possuo o link de algumas discussões sobre a veracidade dos dados do anime assim como scans dos artbooks e guidebooks que uma alma generosa postou no /a/.
Sim, japs levam seus tanks de animu bem a sério... Para uma nação que não possui exército.


Nota numérica:
Roteiro - 7
Artwork - 8
Artwork para quem se importa com os tanks - 10
Som/OST/BGM - 8
Personagens - 7
Enjoyment - 8
Enjoyment para amantes de peças de artilharia - 10

Média: 7,6

Média com o fator BLINDADO: 8,4





**********




Comente com o Facebook:

3 comentários:

  1. Eu dropei esse anime na sinopse, na época. Pensava: wtf?! Como elas vão treinar/combater com tanques de guerra e não se ferir/morrer, sendo um anime moe/slice of life? Mas sua análise me fez dar uma chance pra ele. Variações no já batido slice of life são sempre bem vindas.

    ResponderExcluir
  2. Quando lançaram GuP, eu assisti o 1 epi e dropei, não conseguia digerir a quantidade de wtf que eles colocaram. Muito tempo depois, eu vi muita gente falando bem de GuP, inclusive pessoas que eu nunca imaginei que fosse gostar. Tentei rever outras 2 vezes, mas nunca conseguia avançar pro epi 2. Até que esse ano eu esperimentei outra vez, mas agora pulando logo pro epi 2 e com uma mente mais aberta.
    Foi simplesmente uma das maiores surpresas que eu ja tive! GuP é o maior exemplo de como uma historia pode ser simples e boa. Eu não acredito como o meu preconceito com essa proposta ''inusitada'' me afastou dessa obra.
    GuP me proporcionou uma gama de sentimentos e experiencias. Reacendi a minha vontade de aprender alemão, e me trouxe a vontade de apreder russo! (Sinceramente, quantas vezes voce ja teve a.oportunidade de ouvir algo em russo? Elas cantaram! (Cantaram melhor do que em ingles!))
    Depois de ver a serie, eu comecei a pesquisar sobre os tanques, reassistir inumeras vezes seguidas e observei muitos detalhes, foi incrivel!
    Falando das ost, que voce não comentou, elas são perfeitas! Cada escola tem a como a sua ost uma machinha de exercito, que obviamente combina com o esteriotipo de cada nação(inclusive eu ja baixei e fiquei semanas andando na rua no compasso das musicas)
    A respeito do fato de todas agirem com base em um esteriotipo, eu gostei dessa ideia. A serie tinha um tempo limitado e muita coisa para desenvolver, alem de um numero muito grande de personagens, então,não daria tempo de desenvolver todos. Era melhor deixar-los em esteriotipos conhecidos e dar para cada equipe uma individualidade, assim fica até mais simples para quem assiste.
    GuP é um otimo exemplo de que uma historia boa não depende apenas de um enredo revolucionario ou de simplesmente de sakugas, mas sim do empenho de toda a staff para criar uma boa obra.
    P.s: onde eu posso achar esses data book e art books? Eu tenho interesse

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thx pelo feedback!
      Bem lembrado sobre a OST. Acabei me surpreendendo tanto com a narrativa que acabei deixando a OST um pouco de lado mesmo.
      Passei por algo similar que ti, mas no lugar de me motivar a aprender Russo, começei a procurar marchas do exercito vermelho hehehehe (e diga-se de passagem, tem umas MUITO boas!!) sendo Katyusha muito bem referenciada no animu. Algumas alemãs também me cativaram como Panzerlied e etc.
      Com sorte no filme teremos um enfoque maior nessa questão cultural de diferenças entre as escolas.
      Muito que já lí da franquia foi via /a/ em que almas caridosas postaram os scans do original... O problema é que 99.9% das vezes eles, obviamente, não estão traduzidos, então é uma batalha conseguir entender se ninguém aparece para traduzir: https://archive.moe/a/thread/112027406/#112106311
      Por outro lado, tu acha grande parte dos spin-offs do manga e animu (aqueles com as histórias dos tanks e referencias tecnicas) parcialmente traduzido aki: http://ak-scans.wikia.com/wiki/Girls_und_Panzer

      Excluir

Copyright © 2016 Animecote , Todos os direitos reservados.
Design por INS