1 de abril de 2015

Hayate no Gotoku! / Hayate no Gotoku 2nd Season


Será que existe um mordomo perfeito? No mundo dos animes sim, só que não estamos falando do Sebastian Michaelis do “Kuroshitsuji” e sim, de outro mordomo que não sabe como se comportar com as garotas e compensa esta falta com o serviço e nisto, consegue competir com o Sebastian. Estou falando do personagem principal de “Hayate no Gotoku”, que é simpático e que não tem tempo ruim com ele - a não ser os percalços que  dão pra ele sair de sua atual função e as confusões que o perseguem pra tudo que é canto.


Neste caso, a abordagem vai abordar as duas primeiras séries da franquia que foram pegando o ritmo da história original, cada uma ao seu jeito e o que esperar em ambas. Portanto, se quer conhecer a galeria de “Hayate no Gotoku”, façam as honras e nos acompanhe.



**********


Alternativo: Hayate the Combat Butler
Ano: 2007 (1ª temp.) / 2009 (2ª temp.)
Diretor: Keiichiro Kawaguchi (1ª temp.) / Yoshiaki Iwasaki (2ª temp.)
Estúdio: Synergy SP (1ª temp.) / J.C Staff (2ª temp.)
Episódios: 52 (1ª temp.) / 25 (2ª temp.)
Gênero: Ação / Comédia / Romance
De onde saiu: Mangá, 44 volumes, em andamento



Por Escritora Otaku


O que é preciso para ser um mordomo de qualidade? Fazer o serviço, atender os desejos de seu mestre e estar com a roupa de sua profissão, etc: assim são os mordomos que vemos por aí e se estes forem de animes, não se espante se vierem com habilidades sobre-humanas e personalidades das mais diversas, uns se destacando mais que outros.

Uma parte da graça em “Hayate no Gotoku” está em como o mordomo que dá título a série vai seguindo com a carreira em si e sua determinação em obedecer e satisfazer sua mestra. Até aí, o estilo não sai muito do que se vê entre mestres e mordomos; no entanto, se misturar comédia, romance e referências a mangás, animes e games temos aí uma verdadeira salada de frutas.

Vindo das páginas da Shounen Sunday, lar de tantos mangás consagrados e novatos e com TOCs bem mais equilibradas que o da Shounen Jump, ele teve seu início em 2004 pelas mãos do mangaká Kenjiro Hata e se mantém em andamento. Isto comprova que não é necessário estar numa revista de maior apelo pra ter sucesso, só o que precisa é mostrar a que veio e agradar o público.

Temos aqui Ayasaki Hayate, um rapaz que vive de empregos cá e acolá, ganhando uma grana para viver e conseguir suportar os pais em seus sonhos malucos. Um dia, após sair em mais de um emprego devido a idade – ele tem 16 anos –, ao voltar pra casa se depara com um bilhete de seus pais que deixam um presente nada legal: uma dívida gigantesca de mais de 150 milhões de ienes (R$ 3 milhões e 900 mil). Culpa dos pais do rapaz, que não mediram o preço de seus sonhos malucos e o pior de tudo, que esta grana era emprestada por uns “homens gentis” e estes querem que Hayate pague a dívida.

Sanzenin Nagi é uma completa hikikomori: prefere passar seu tempo lendo mangás, assistindo animes, jogar games e escrever seu mangá em sua casa. Uma garotinha de apenas 13 anos, mimada e de personalidade fechada, dona de uma herança da qual muitos querem ter a qualquer preço. Mora em uma mansão de proporções gigantescas, tendo apenas a companhia da sua guarda pessoal, de dois empregados e seu gato de estimação. Não é adepta a sair e andar por aí, devido a grana que tem e por achar estranhas as coisas rotineiras.

O encontro dos dois se deve por acaso, quando topam em uma das máquinas de bebidas na praça. Hayate querendo livrar da dívida decide sequestrar a garota, mas, a maneira que falou ao invés de assustá-la, a fez se apaixonar pelo rapaz. Ele acaba não fazendo o sequestro, pois teve gente que fez em seu lugar e pra reparar o erro, a salva. A ação fez com que Nagi desse uma proposta para Hayate se tornar o mordomo dela – fora que trabalhando pode pagar aos poucos sua enorme dívida - e é aí que temos a relação mestre e mordomo, como também das confusões apresentadas em “Hayate no Gotoku”. De agora em diante, nosso Hayate tem de seguir com esta profissão, e suas habilidades e jeitinho começam a chamar a atenção de muitos, seja do elenco feminino bem farto ou do pessoal que querem desbancar ele ou sua mestra.



Os personagens seguem seus clichês e possuem algumas características bem incomuns, que misturadas dão o ar da graça do enredo proposto. A maioria são personagens femininos, que tem uma quedinha – umas mais, outras menos – pelo Hayate. Estes momentos não são o forte da série, o que dá pra ver é que o nonsense acaba se tornado uma marca registrada: a quantidade absurda de referências e as situações oferecidas vão surgindo a cada episódio, seja em torno de certos personagens, seja a vida ou até mesmo a responsabilidade de Hayate posta à prova. Ponto que a maioria vai ter de concordar e muitas vezes a referência é tão óbvia, que as risadas são garantidas- principalmente na 1ª temporada da série, que podemos ver as referências pra tudo que é canto, nas situações mais inusitadas possíveis. A Shounen Jump ganha destaque e não é a única, pois também tem outras séries por aí, basta prestar atenção. Séries famosas ganham seus quinze minutos de fama, mas, entre tantas tem uma que ganha em disparada: os mais atentos vão ver certa estátua de um personagem bem famoso das páginas da Shounen Sunday, um menino de óculos, cujo mangá ainda está em andamento e anime idem. Inclusive houve um episódio que ressaltou elementos bem comuns desta série, sem perder o bom humor.


Eis a estátua...

O humor ainda é presente na 2ª temporada, mas, o nonsense perde espaço para a comédia romântica e personagens que tinham mais participação na fase anterior ficam para o escanteio. Outros aparecem pra completar a galeria de personagens, isto se deve ao fato desta temporada ser mais calcada do original – a primeira seguiu o mangá até o episódio 25, depois foi para os famosos fillers – fora que tem momentos mais dramáticos e os arcos são mais curtos e diretos ao ponto. Há esta confusão sobre como assistir as duas temporadas, então vale explicar: se é dos que querem a história sem rodeios, assista a primeira temporada até o 25 e pula para a segunda temporada ou assista toda a primeira e aí passa para a segunda temporada. De qualquer maneira, a ordem é o de menos, já que não há mudanças significativas entre as duas séries de TV.

A maior mudança fica em torno dos estúdios responsáveis pelas animações: ambas seguem o traço característico da série, só que, dá pra reparar que na 1ª temporada o traço é bem marcante, enquanto na 2ª temporada o traço tem uma suavizada e as cores estão mais vivas que na fase anterior. Isto também acaba afetando nos momentos cômicos e nas situações, dando a impressão que uma não é continuação da outra. Só uma coisa não muda entre as duas séries, no caso, a dublagem de ambas é a mesma, cujas vozes dão o ar da graça e das situações inusitadas apresentadas em “Hayate no Gotoku”. Elenco bem definido quanto a este quesito, o que torna a experiência mais agradável.


Portanto, “Hayate no Gotoku” traz uma comédia que condiz com seu conteúdo, sem precisar apelar para piadas difíceis ao espectador compreender. Um elenco clichê bem colocado e um mordomo que tem de dar duro e é péssimo em entender as mulheres são alguns fatores que fazem a série ser o que é. E numa lista de mordomos de animes, o Hayate consegue entrar bem fácil, fácil...



*****




Comente com o Facebook:

Um comentário:

  1. Hayate no gotoku é uma serie muito legal. Eu gosto muito do tempo das piadas, em especial do combo feito entre a voz do ceu e o hayate! é uma pena que com a troca de estudio na 3/4 temporada a voz do ceu tenha sumido...
    Enfim, eu prefiro a segunda temporada, principalmente do arco da hinagiku e dde terem dado mais espaço para ayumu.

    ResponderExcluir

Copyright © 2016 Animecote , Todos os direitos reservados.
Design por INS