28 de outubro de 2015

Resenha: Poyopoyo Kansatsu Nikki


E lá fui eu atrás de animes de curta duração, não pelos episódios e sim pela quantidade de tempo que possuem por serem pequenos em sua execução. Vi dois, e um não gostei muito, apesar de considerar que tem lá seus méritos; já o outro... se disser que amo gatos e o fato de este ser um tanto diferente, realmente tive muita sorte em conhecê-lo. E assim, “Poyopoyo Kansatsu Nikki” entrou na lista de animes curtos que acabei amando, ao lado da simpática Chi de “Chi’s Sweet House”, do gatinho-vampiro de “Nyanpyre” e dos fofinhos bebês de “Chibi Devi!” Acho que sou adepta a séries fofas, só pode ser...

Poyo e companhia me encantaram, o estilo da animação e duas surpresas chamaram a minha atenção, sendo uma a voz do Poyo ser feita pela dubladora do Pikachu de “Pokémon” - afinal, deve ter sido moleza pra ela e o personagem não mia como os gatos comuns, saíam vários “Hiya” e não miaus; e já a outra se refere a um dos personagens, pois quando assisti notei que a voz era estranhamente familiar e meu queixo caiu ao saber que se tratava do 1° dublador de Mouri Kogorou do “Detective Conan”, ou seja, surtei literalmente... Se souberem como tenho alguns surtos quando reconheço vozes do elenco principal do Conan em outros animes, nem fazem a menor ideia...

Muito bem: vejamos o que Poyo tem que outros gatos não têm e o que o torna diferente, mas dá pra garantir uma coisa que é o quanto este gato é tão fofo, tão cuti-cuti e tão redondo. Por que redondo? Só leia a resenha e vai entender o porquê de dizer redondo ser parte dos charmes desta série.

**********

Ano: 2012
Diretor: Akitaro Daichi ("Bokura ga Ita", "Fruits Basket")
Estúdio: Studio DEEN
Episódios: 52 (3 min. por episódio)
Gênero: Comédia / Slice-of-Life
De onde saiu: Mangá, 14 volumes, em andamento




Por Escritora Otaku

Quem gosta de gatos? Seu estilo independente, o fato de caírem em quatro patas na maior segurança, de subir em uma árvore e ficar com medo de descer pela altura que conquistaram, entre outros fatores são parte de ser um gato. A forma que estes felinos podem te conquistar é um fato incontestável; se muita gente prefere os cães pela sua lealdade e por dependerem da gente pra viver, há os que preferem os felinos pela sua forma de enxergar o mundo sem ficar no colo o tempo todo.

No ramo das animações gatos têm seu lugar privilegiado, uns mais conhecidos que outros e em animes, eles nem precisam estar no elenco principal pra destacar seu jeito independente de ser. Em outros casos, os felinos possuem uma importância e tanto no elenco principal, chegando a influenciar a narrativa da história abordada. A animação em questão traz um gato e até aí, nada que seja muito incomum, claro que é apenas um pouco do que “Poyopoyo Kansatsu Nikki” oferece aos que o conhecem. Vindo de um mangá em publicação desde 2005, nosso gato saiu da mente da mangaká Ru Tatsuki e sua história mostra o dia a dia de Poyo e companhia.

Pra virar anime não custou muito e com episódios de apenas três minutos de duração, havendo apenas uma curta abertura e o episódio em si. E se tem algo que podemos destacar é o fato das formas redondas estarem em toda parte na obra, seja em sua abertura, seja nos nomes dos episódios e tudo tem a ver com o gato em questão. O enredo da série começa quando a jovem Moe estava bem bêbada e dorme em algo que pensava se tratar de um “travesseiro redondo”. Ao acordar na manhã seguinte, repara melhor e se assusta ao descobrir que o travesseiro era um gato – laranja, com algumas listras e bem redondinho – e encantada, o leva para casa. Com a aprovação de seu pai e certa relutância do seu irmão mais novo, o gato ganha o nome de Poyo e passa a ser parte da família Sato.

E acompanhamos a rotina desta família e das pessoas das quais os conhecem, tendo contato direto ou não com o Poyo. Mesmo sendo o protagonista, Poyo não é o centro das atenções o tempo todo e demonstra independência em sua forma de viver; alguns costumes meio estranhos e seu encanto devem à sua forma redonda, e até seu miado não é o mesmo dos gatos, normalmente saindo muitos “Hiya!” que lhe dão um toque pessoal. É uma série que retrata o cotidiano, com pitadas de comédia e situações ora comuns, ora fora da realidade no ponto de vista de seu elenco - e este é o detalhe mais forte em “Poyopoyo Kansatsu Nikki”: os personagens que formam o elenco em questão, começando pela família Sato, um pai fortão e prestativo que trabalha duro e tem paixão por gatos; Moe e sua fascinação por Poyo e coisas redondas, fora o fato de ser uma boa cozinheira; e Hide, o irmão mais novo e alvo constante do nosso gato redondo, que aos poucos também passa a gostar do Poyo sem estar no nível do pai e da irmã, havendo ainda os colegas de classe do jovem (uma aluna que admira o Hide e tem um cachorro, e outro que tem um hamster e que caiu de amores pela Moe), os vizinhos e adiante.

E são eles que ditam a sequência dos acontecimentos, cada situação mostrada com ou sem a interferência do Poyo, dando um toque leve e simples de ser. O traço usado é deveras bem fofo, destaque para o gato e as formas SD usadas no elenco humano, cada um com seu estilo e personalidade; as cores são suaves e quando menos esperam, os episódios acabam. Há certas semelhanças se comparar esta série com “Chi’s Sweet Home”, pois temos um gato como personagem principal, uma família que os adota e o visual simpático em seus traços. Porém, as semelhanças param aí e o que chama mais atenção é quanto a personalidade dos gatos em questão: a Chi é filhote e vemos seu amadurecimento, enquanto que o Poyo já é adulto e tem uma personalidade já formada; de resto, não dá pra não dizer que são tão fofos, cada um com seu jeitinho de ser.


Seguindo a fórmula de um gato e a rotina, “Poyopoyo Kansatsu Nikki” consegue mostrar que não é preciso um roteiro mirabolante pra conquistar o público. Aos que amam gatos ou animais, eis uma indicação e tanto, pois é bem agradável acompanhar as desventuras de um gato redondo e tão fofinho, mesmo que não seja o centro das atenções o tempo todo.


*****


Veja também:

Comente com o Facebook:

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Vou dar uma conferida, gosto bastante de gatos :3
    Pena que não achei o anime do gato Zumbi Moe kkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também recomendo bastante esse anime, Wesllei; adoro o estilo de seu humor, o elenco, a paleta de cores, as musiquinhas de fundo...

      E quanto ao gato zumbi moe, pois é, desse eu não consegui achar nem raw para dar uma olhada.

      Excluir
  3. Já dei uma olhada nos 15 primeiros episódios, nossa toda hora eles encontra alguma coisa redonda e compara com o Poyo, achei ele bem divertido e leve, acabei gostando mais desse do que do Chi's Sweet Home. Quando eu terminar deixo meu comentário aqui.
    Mas ele tá bacana e com certeza fará jus ao que propõe.
    Meu personagem favorito o vovôzinho lá(Acho que ele é pai da Moe), pq ele é foda ele se faz de fortão e trabalhador mas ele ama Poyo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, o Shigeru, é o pai da garota mesmo. Também gostei desse contraste de homem durão que se derrete todo perto do Poyo, ha...

      Fico dividido entre esse e Chi's Sweet home; considero Poyopoyo bem mais divertido, porém acho bacana a historinha e o desenvolvimento da Chi.

      Excluir

Copyright © 2016 Animecote , Todos os direitos reservados.
Design por INS